Viver com medo

Pensei muito antes de escrever este artigo. Mas pensei na quantidade de mulheres que sofrem mudas, esboçando sorrisos que não são delas, fingindo ter vidas perfeitas, aprumando-se para os maridos perfeitos e na sua maioria normais e "tão boas pessoas" bem vistos por toda a gente.

 EM Portugal, centenas de mulheres são mortas todos os anos, vitimas de violência doméstica. E quantas não morrem diáriamente um pouco na sua dignidade , na sua condição de mulheres com medo, com insultos, vitimas de perseguição psicológica, e são desfeitas a cada dia e vivem em medo constante, em panico, sem saber quando será o dia que os olhos cheios de ódio ou o movimento mais brusco as materá de vez e quase desejando que tal aconteça para terminar de vez com tamanho desespero.

 Não. Nunca me senti culpadade nenhuma acusação. Existe sim uma incompatibilidade de feitios abismal. Por um lado existe uma obsessao em fazer a casa parecer parecer um museu. Por outro existe uma casa onde habitam duas crianças e que trabalha alguem que usa a casa como laboratório e escritório e centro principal de trabalho. Mas foi sempre assim.

 O que custa é a dor no corpo que fica quando se treme muito. Os olhos que parecem mexer sozinhos, a inquietação nas crianças,adormecer à custa de medicação. A instabilidade. Porquê então? Porque a vida não se alimenta de atitudes de heroina.porque não tenho uma familia com espaço, idade para me receber. porque não me consigo sustentar ainda a tres. Porque palavras de incentivo não se comem. Em verdade vos digo, tenho pouca ou nenhuma esperança no sexo masculino.

 Espero morrer velha e sózinha. na melhor das hipoteses rodeada de filhos e netos. Antes d comentarem ou irem "bichanar seja o que for acerca deste texto, pensem, mas pensem como gente crescida. Ninguem está livre . Entendam portnto como um espirito inquieto e impulsivo "salta de furia" à minima. Sou assim aqui como na vida. Só queria Paz. Facilitem-me.

Partilha isto:

Sobre a autora:

Chamo-me Marta, e sou apaixonada pela escrita e pelo mundo da beleza. Em 2013 , após um curso de maquilhagem profissional decidi juntar os meus dois amores, criando este blogue. Gosto de escrever despudoradamente sobre tudo. Maquilhagem, cuidados com a pele, estética, cirurgia plástica e saúde no geral, assim como partilho aqui algumas das minhas crónicas em que abordo tudo o que é possível e imaginário. Venham daí, conhecer o meu Mundo!

13 comentários

  1. Querida ao ler este post até me arrepiei... Tu tens realmente uma orça fora do comum... Nao falo por expriencia propria porque felizmente tenho o homem que qualquer rapariga sonha ter... um dia te conto a minha historia... Passando a frente isso de viver com medo nao é bom nem pra mulher nem pras crianças... Deve ser algo horrivel... Nao te posso dizer sai de casa e recomeça uma vida pois como dizes palavras nao se comem e ainda nao consegues sustentar a 3. Mas sei que um dia vais conseguir... Talvez encontres o homem certo um dia mas se nao encontrares o que importa é seres feliz... bjinhos com muitoooo carinho :)

    ResponderEliminar
  2. Ao ler este post não consegui conter as lágrimas porque se sofres eu também sofro...mas sei que és valente e vais conseguir superar tudo! Por isso só te peço: nunca te deixes ir abaixo, nunca deixes que baixem a tua auto-estima e amor próprio, e, acima de tudo, exige respeito! Se do outro lado não vir isso bem é melhor uma conversa muito séria e colocar todos os pontos nos is. Eu felizmente tenho a sorte de ser uma das mulheres mais felizes do mundo porque encontrei a minha alma gemea (sim elas existem) mas sei que há tantas mulheres a sofrer em silêncio, com um sorriso na cara quando o seu interior está destroçado e depois quando há crianças no meio é bem pior :-( mas digo-te: Tu em primeiro lugar sempre (junto é claro com os teus principes)!!!!! Eu andei sufocada há uma década atrás numa relação de sete anos e a um mês do casamento terminei tudoooooooooooo....já com convites entregues, quinta marcada, igreja tratada....sofri muito com isso porque as pessoas massacraram-me mas eu ultrapassei essa fase porque quando me caiu a ficha apercebi me que em primeiro lugar estava a minha felicidade! Que passado dez anos reencontrei...há males que vêm por bem!

    ResponderEliminar
  3. Qualquer agressão física seria menos dolorosa que olhares de ódio, palavras de nojo e desprezo e falsa superioridade vindas de alguem que se sente injustificadamente inferior por ser apenas limitado porque quer ser limitado... Porque a preguiça de pensar é mais forte a inércia da atitude o ultrapassa e o silencio é resposta para tudo. É Deus. Dono do conhecimento . E tem a falta de sorte de estar com uma inconformada , instável, que reconhece que nada tem fim nem nada é tudo sim nem nada é tudo nao. Que existem entrelinhas. Complexidades.Sentimentos e emoções .Paixão! Céus! Como deve ser triste nunca ter sentido paixão!!!!Como deve ser triste querer dormir e nao poder porque é de dia e de dia nao se dorme porque mesmo estando de ferias de dia nao se dorme. Regras, regras, regras...neurótico!

    ResponderEliminar
  4. bom.. nem sei por onde começar..!
    eu já vivi num relacionamento em que não havia respeito nem protecção.. digo isto porque a família dele nunca me aceitou e houve tentativas de terminar o nosso relacionamento, ao longo de mais de 6 anos!
    nunca houve violência física.. mas a pressão psicológica a que estava sujeita...não quero ter de passar por isso de novo! (depois conto-vos melhor a minha história - todos têm a sua história, né?)..
    Essa relação quando terminou, terminou de maneira muito má... tive, ao longo de vários dias, pensamentos suicidas... a única forma de saír desse buraco foi pensar na minha irmã de 6 anos (não a vejo desde o natal passado.. é a jóia dos meus olhos).. mas chega de mim! =)
    Admiro muito tanto a força da Marta, como a coragem da Susana Cardoso! Arrepio-me só de me imaginar na vossa situação!.. A minha mãe tem umas "tendências" esquizofrénicas e eu cresci com as neuras dela (atirava-se para o chão e dizia que tinha sido o meu pai.. houve quem a visse a bater-se a si mesma para ficar marcada e dizer que foi o meu pai...enfim..).. eles divorciaram-se tinha eu 9 anos.. portanto a minha experiência de "mãe" não foi completa.. além que aquando do divórcio deles a minha mãe disse-me "fica com o teu pai, eu não te quero"...eu tinha 9 anos! mas pronto, sei que há situações bem piores...!!
    mas, mais uma vez, agradeço o vosso testemunho e admiro muuuuuito a vossa força de vontade, força interior e coragem! e, acima de tudo, o vosso amor: amor de mãe, amor de mulher..!! são exemplos como os vossos que nos alimentam a alma e nos motivam a continuar <3
    obrigada*

    osmeuspassatempos

    ResponderEliminar
  5. Ai meu Deus querida não sei como aguentar lidar com alguém assim...e ainda por cima que não quer ser tratado pela doença que tem...credooo....eu ja tinha pulado há muito...porque isso faz te muito mal...lidar com pessoas com essas neuras aiiii cristooooo!!!! Fogoooooo!!!! Que Deus e todos os seus anjos te enviem um camião Tir cheio de amor verdadeiro...eu sei que o vais encontrar e vais ser muitoooo feliz...não mereces passar por isso....porque quem nos ama não nos faz sofrer dessa maneira!

    ResponderEliminar
  6. Confesso que já assisti a coisas parecidas, a vida é madrasta para muitos. Só não sei o que custa mais, a violência física, ou a psicológica...

    ResponderEliminar
  7. Acompanhei um caso de uma pessoa muito proxima...fui eu que a encaminhei para a APAV e acompanhei todo o processo...sei bem do que falas, na perspetiva de espetadora..não sei o que snetes, nem consigo sequer imaginar, nem me atrevo a tal.Uma coisa tenho a certeza:ninguem esta livre e a historia do se fosse comigo isto e aquilo são tretas.tretas.Só se sabe quando as coisas acontecem.Muita força para ti.E fica ciente que essa relação não é a norma nem o que é suposto.Há pessoas muito boas por aí...espero que se encontrem e tenhas o teu happy ending.

    ResponderEliminar
  8. Acompanhei um caso de uma pessoa muito proxima...fui eu que a encaminhei para a APAV e acompanhei todo o processo...sei bem do que falas, na perspetiva de espetadora..não sei o que snetes, nem consigo sequer imaginar, nem me atrevo a tal.Uma coisa tenho a certeza:ninguem esta livre e a historia do se fosse comigo isto e aquilo são tretas.tretas.Só se sabe quando as coisas acontecem.Muita força para ti.E fica ciente que essa relação não é a norma nem o que é suposto.Há pessoas muito boas por aí...espero que se encontrem e tenhas o teu happy ending.

    ResponderEliminar
  9. Sei do que falas, mas não ouso dizer, nunca, "se fosse eu...", é uma expressão injusta, como é injusto que pessoas tão especiais como vocês têm mostrado ser tenham passado por situações tão dolorosas e ainda tenham força para dar sorrisos aos outros.
    É certo que todos sofremos, todos temos os nossos fantasmas, e quero crer que, mais cedo ou mais tarde, aprendemos a sair delas.
    Compreendo o que dizes, Marta, e ninguém tem o direito de te censurar. Mais do que pensar em ti, tens que pensar nos teus meninos e compreendo que não queiras arriscar não lhes poder dar a estabilidade que merecem. Mas também sei que daqui a muito pouco tempo lhes (vos) vais poder dar tudoo aquilo a que têm direito, e fugir para bem longe dessa prisão. Para o que for preciso, estamos aqui, sem perguntas, acho que todas assim concordam :)

    Susana, Lígia, admiro a vossa coragem, também já tive que embainhar uma boa dose da minha, mas a vida vai compensar-nos, a todas!

    ResponderEliminar
  10. Este é um assunto muito sério que me assusta um pouco. Tantos casos divulgados e tantos mais por divulgar.
    Eu abomino e condeno ao mais alto grau este tipo de violência física e/ou psicológica.
    Os culpados deviam ser punidos de uma maneira bem mais firme e as vítimas devias ser muito, mas muito mais protegidas do que são...

    ResponderEliminar
  11. admiro-te pela coragem, força, determinaçao e amor proprio. nunca o percas, é o que te mantem viva , por ti e pelos teus. e depois de tudo ainda nos aturas pah!!!cada um tem mesmo a sua historia, e fico feliz por te teres aberto de algum modo para nós...cada uma de nós e todas em conjunto gosta de ti À sua maneira e sofre contigo.e pelo que me tenho apercebido somos todas mulheres de armas e dores e lutas diárias...do fundo do meu coração desejo-te toda a paz do mundo. paz e amor, para ti e para os teus meninos.

    ResponderEliminar

Obrigada pelo teu comentário!