polémica

Desabafo

abril 23, 2019

Já há muitos anos não me sentia tão deslocada do Mundo.
 E a Tpm é mensal portanto lá caiu algum parafuso importante na máquina.
A verdade é que criei a Eu Não  Sou Santa em 2014 para mim. 
Para desabafar à vontade. Para poder falar com “ estranhos” aquilo que não tenho vontade de falar com pessoas próximas, na maior parte das vezes para não as pesar com os meus problemas.
Para poder dizer livremente o que penso.


Muitas pessoas se aproximaram de mim por causa da página. Muitas se afastaram porque se aperceberam que eu sou real e tenho defeitos .
Porque num universo de 88 mil pessoas há algumas que mandam prints e dizem isto e aquilo. 
Essas pessoinhas esquecem- se que me contactaram via consultório, desabafando merdas que não lembra o diabo. Alguma vez me viram dizer “ olhem este consultorio foi a Maria Da Bobadela que mora por cima da mercearia que escreveu. Não. Ainda assim e porque não sou obrigada a concordar com tudo o que dizem , já fizeram trinta por uma linha. Desde criar páginas de ódio a outras com prints enfim. Minha preocupação perante tal? 0.
Toda essa gente odiava de morte as pessoas com quem me relacionava intimamente. Assim que esse relacionamento acabou correram e tornaram- se bff das pessoas em questão. Afinal sou o Hitler do Milénio. Novamente, preocupação quanto a isso? Zero.
As vossas atitudes definem-vos . Não a mim.
Isto para dizer que há pouca coisa que esteja nas mãos dos outros que me afete. 
Desses 0,00001 %, existe um restante muito maior que , e é aí que quero chegar , que sempre aqui estiveram independentemente de concordarem ou não comigo, para dar força. Para ler. Que se identificam com as minhas palavras. 
Eu não sou santa nem sequer sou exemplo para ninguém. 
Já aqui falei no abandono por parte da minha mãe, de ter sido abusada em pequena pelo irmão de um dos amigos dela da morte do meu pai, dos tempos que passei fome, mas não o faço para “ fazer de vítima”.
 Não pretendo discursos para causar pena.
Apesar de tudo, creio que a minha história é uma história de superação.
Aqueles que não têm de mim o que querem, chamam- me manipuladora.
Somos todos manipuladores. Todos nós tentamos que os outros façam o que pretendemos. 
Quem aprende a desenrascar- se tem que ganhar estaleca , desemerdar - se de forma a sobreviver! 
Sou um ser humano que já passou muita merda como tantos de vós. 
Só que, por vezes torna - se cansativo. 
Por vezes vamo- nos abaixo. Não por excesso de críticas. Nem por pessoas que considerávamos amigos se revelarem aquilo que mais criticam. Isso é lá com eles. 
Aprendi a bloquear de todas as formas quem não me acrescenta. Quem manda indiretas. E olhem que se não me chamarem a atenção sequer reparo nas indiretas.
Quantos aqui já “ perderam amigos” porque estes decidiram acreditar em alguém que mal vos conhece e se lembrou de inventar qualquer merda sobre vós? Não precisamos de pessoas fraquinhas connosco. Cabecinhas de vento.
As maiores putas não são as que se deitam com mil homens mas as que regozijam com a vossa infelicidade.  
E é normal que estas amálgamas de acontecimentos nos façam questionar muita coisa.
A nossa postura. A nossa forma de lidar com determinadas coisas. 
Infelizmente , é isto que origina que sejamos cada vez menos as pessoas que devemos ser. Que não confiemos facilmente nos outros. Que recusemos ajudar.
Pensamos sempre “ vou ajudar para à primeira oportunidade me morderes?”
E é também por isso que acabamos por fugir de quem parece bem intencionado e nos oferece ajuda. Para atirar à cara o que fez à primeira oportunidade? 
Costuma dizer- se que o vencedor caminha sozinho.
E é bem fácil de entender porquê.

You Might Also Like

1 comentários

  1. Olaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!
    Quando estou de TPM também me passo um bocado. Bom, não é que não me passe quando não esteja, mas não é tanto.
    É as pessoas vêm como algo diferente. Alguns até dizem que temos a mania que somos superiores. Enfim...
    Beijokitaz




    www.devaneiosdemissl.com

    ResponderEliminar

Obrigada pelo teu comentário!