Viver em Sociedade

Nestes ultimos cinco anos a minha vida mudou muito. Passei por vários altos e baixos. Perdi a pessoa mais importante da minha vida. Mas, ganhei muita coisa.

Não tenho vergonha de dizer que em alguns momentos passei por situações dificeis, não me envergonho de ter pedido ajuda.
Devo ter cara de rica. Acreditem que se o acharem é mesmo só a cara. E então, isso faz com que as pessoas comentem. E não me refiro a seguidores ou haters que nunca me viram na vida e decidiram ter- me como ódio de estimação. Mas de pessoas que nos julgam pelo que os seus olhos lhes dizem.
Costuma dizer se que só quem vive no convento sabe o que lá vai dentro e é bem verdade.
Falei há pouco com uma amiga sobre uma proposta que tive , em que uma marca me pedia que confidenciasse algo de triste na minha vida para promover produtos. Sabemos que marketing é criar empatia. Fazer com que o publico se identifique connosco e ... lançar a escada.
A minha amiga disse - me “bastava falares no teu pai...”. É obvio que o poderia fazer. E reparem que não estou a fazer uma critica . Mas, são assuntos que posso falar no blogue para desabafar. Mas não os comercializo. Não vendo memórias que tive com o meu pai nem com o meu avô.
Não consigo. Porque quando penso neles, só consigo pensar neles. É me de todo impossível fazer com que as pessoas vão ver um filme ou comprem um livro recomendado por mim no seguimento de algo que me tenha mutilado emocionalmente.
Detesto discursos de auto vitimização, mas detesto mais ainda ter material suficiente para escrever dois ou três livros dramáticos baseados na minha vida.
No entanto, é ser feliz que quero. E estes anos que passaram, e alguns assuntos que não sei se algum dia terei coragem de expor, fizeram me uma pessoa mais forte. Menos preocupada com as opiniões alheias. 
Tenho haters? Fantástico. Devo estar a fazer tudo bem. Com a quantidade de leitores que tenho em todas as paginas, visitas no blog e restantes redes sociais, se não tivesse quem me odiasse, podia competir com Jesus Cristo e ganhava-lhe pois nem Ele agradou a todos.
Só me chateia que na minha vida, ainda tenha algumas situações que me magoem. Coisas pequeninas. Mas , um dia vou conseguir deixar de dar tanta importância ao que nao tem e aceitar que as pessoas não são obrigadas a gostar de mim.
É facil aceitar que num mundo onde reinam sentimentos menos positivos e grande competitividade as pessoas arranjem guerras. Mas quando tentamos ser o melhor que conseguimos nas nossas vidas pessoais, e sentimos um amargo de boca, tomamos isso como um grande fracasso.
Não é.
São pormenores. Detalhes. 
E devemos sim, continuar a ser boas pessoas, a tentar ser melhores a cada dia. Superar as nossas fraquezas, aceitar os nossos defeitos.
Não existem pessoas perfeitas. Nem o Mundo teria piada assim. 
Como eu disse hoje a alguem, se 100 pessoas dizem bem de ti, porque razão ficamos magoados se aparece uma a criticar?
Valoriza-te.
Mereces. Olha para tudo aquilo por que ja passaste, aquilo que superaste, ve as tuas conquistas.
 A maior parte de nós, está a vencer na vida pelo simples facto de se manter viva. Com força. 
E a vida vai fazer-nos crescer. Ensinar-nos a ser ainda mais fortes.




Partilha isto:

Sobre a autora:

Chamo-me Marta, e sou apaixonada pela escrita e pelo mundo da beleza. Em 2013 , após um curso de maquilhagem profissional decidi juntar os meus dois amores, criando este blogue. Gosto de escrever despudoradamente sobre tudo. Maquilhagem, cuidados com a pele, estética, cirurgia plástica e saúde no geral, assim como partilho aqui algumas das minhas crónicas em que abordo tudo o que é possível e imaginário. Venham daí, conhecer o meu Mundo!

2 comentários

  1. Concordo kerida, kostumo dizer ke joia rara gera inveja o meio de tanta bijouteria portanto seguir em frente é o caminho...
    Forca e continue sendo kem é... 😘😘

    ResponderEliminar
  2. adorei o post!!
    beijinhos

    |último post|
    https://eyeelement.blogspot.pt/2018/04/6-habitos-que-vao-mudar-tua-vida.html

    ResponderEliminar

Obrigada pelo teu comentário!